Documento sem título
 

Nesse link, sugerimos algumas atividades que poderão ser aplicadas em qualquer filme. As atividades específicas de cada filme podem ser encontradas no link filmes.

Sabemos das dificuldades em assistir um filme na íntegra nas escolas, principalmente nas públicas. O número de aulas já é escasso e um longo programa a ser cumprido. Porém, nada substitui a idéia geral de um filme. Por isso sugerimos o acordo entre professores de áreas afins (História, Sociologia, Filosofia, Inglês, Português, Geografia, etc.) para desenvolverem as atividades a contento e aproveitarem o máximo de reflexão que um filme pode proporcionar. Antes de assistirem ao filme, os alunos poderão fazer uma pesquisa na internet, para localizar alguns dados (direção, ano e país de produção, atores, etc.), a sinopse e ainda o posicionamento da crítica. O site The Internet Movie Database é excelente e contém muitas informações sobre vários filmes e as pessoas envolvidas em sua produção. Trata-se de um site em inglês, que poderá ser bem utilizado com o apoio do professor dessa área. A turma poderá ser dividida em equipes e cada uma fica responsável por pesquisar um tema diferente (sinopse, direção, comentários da crítica, curiosidades, etc.), a partilha das informações será feita em sala. Essa atividade os colocará em sintonia com o filme e despertará o interesse em assisti-lo.

Aliás, sugerimos aos professores explorarem a pesquisa na internet. É claro que existem muitos sites duvidosos e incompletos. Mas, o mesmo se passa com os livros. Explique como utilizar a rede como uma fonte de pesquisa e não apenas para "copiar-colar". Estimule-os a pesquisarem e compararem diversos sites, coloque o potencial da internet a seu favor!

Logo após assistirem o filme, os alunos poderão preencher uma ficha, com o objetivo de explorarem e esclarecerem aspectos importantes. As fichas poderão ser preenchidas individualmente e em casa, em sala de aula será feita a partilha, o que provavelmente gerará uma discussão enriquecedora, pois aspectos divergentes sobre a compreensão do filme surgirão.
Ao apresentar a ficha para os alunos, explique o que é “crítica externa” e “crítica interna”. Esses termos foram criados por um dos maiores pesquisadores da relação cinema e história, o historiador Marc Ferro. Em seu texto O filme uma contra-análise da sociedade? (publicado na obra de Jacques LE GOFF e Pierre NORA, História. Novos objetos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1995, p. 199 a 215), Ferro propôs uma análise daquilo que “não é filme” (a crítica externa), ou seja, de elementos que não estão representados na película, mas que interferem na maneira como estão representados, como, por exemplo, o posicionamento político do cineasta. E daquilo que “é filme” (a crítica interna), ou seja, os elementos representados e como estão representados, ou ainda, a sua ausência na película.
A última parte da ficha, com relação à opinião do aluno, também é importante explorar que, o “gostar” ou “não gostar” não modifica a película, nem a opinião da crítica, mas é um fator importante sobre a relação que os alunos estabelecem com os filmes, com quais situações se identificam. Esse momento é importante para que os alunos aprendam a respeitar as opiniões divergentes da sua.




Atividades específicas para a Área de Inglês
:
- escolher um trecho do filme, cobrir a legenda e pedir para os alunos fazerem a tradução. Uma atividade alternativa é escolher um trecho do filme e pedir para os alunos identificarem cinco palavras que sabem o significado e outras cinco que desconhecem, procurando o significado e a grafia correta no dicionário;
- escolher passagens do filme que estejam relacionadas com o conteúdo gramatical estudado pelos alunos (frases interrogativas, frases negativas, colocação de pronomes, etc.);
- disponibilizar aos alunos pequenas biografias dos diretores ou sinopses dos filmes, ou ainda, comentários da crítica sobre os filmes, em inglês, para os alunos fazerem a tradução. Essa atividade poderá ser feita previamente, antes dos alunos assistirem o filme;
- comparar o título do filme em inglês e como foi traduzido para o português. No caso de serem títulos diferentes (como o filme de Costa Gavras Music Box, que foi traduzido como Muito mais que um crime), discutir qual o que combina mais com o conteúdo do filme.




Atividades específicas para a Área de Geografia:

- a grande maioria dos filmes se passam num determinado espaço, são poucos que não possuem essa referência, como 1984 de Michael Radford, baseado no livro homônimo de George Orwell. O professor poderá iniciar a discussão localizando a(s) região(ões) onde se passa o filme no mapa, identificando o país e continente e até mesmo as regiões vizinhas;
- feita essa primeira abordagem, poderá ser construído um perfil da região: o tipo de relevo, clima, vegetação, além de índices econômicos, sociais, etc. Se o filme for uma representação do passado, é interessante fazer uma breve comparação sobre a situação da região na época representada pelo filme e atualmente, o que estimulará uma discussão sobre a atual situação da região.
O resultado final poderá ser uma tabela comparativa ou um painel em sala de aula.


Atividades específicas para a Área de Língua Portuguesa:
- pode-se começar explorando a variedade lingüística (nos filmes nacionais, é claro), solicitando aos alunos que identifiquem as marcas lingüísticas ( gírias, estrangeirismos, brasileirismos, neologismos) características de cada grupo social;
- transcrever as falas de personagens e posterior reescrita adaptando para a língua padrão escrita;
- é possível explorar figuras de linguagem, solicitando aos alunos que registrem exemplos de usos de linguagem figurada nas falas dos personagens e depois reescrevam os trechos usando linguagem denotativa;
- em se tratando de produção de texto, o professor pode solicitar resumo do enredo do filme assistido, resenha e fichamento;
- há uma infinidade de obras cinematográficas que podem ser exploradas no trabalho com a Literatura. Uma boa opção é pedir análise comparativa entre filme e livro ou entre filme e texto, apontando tópicos que devem ser comparados (por exemplo, comparar o filme O advogado do diabo ao conto A igreja do diabo apontando como tópicos a construção do personagem diabo, sua argumentação e sua estratégia para arregimentar “fiéis”).





 
uma publicação da Revista O Olho da História - um projeto do Núcleo de Pesquisa Oficina Cinema-História
© 2009. all right reserved. copyright by jorge luiz bezerra nóvoa. webdesign soleni biscouto fressato